Se o Telejornal fosse mulher…

Apesar de muitos telespectadores gostarem do que é mau, o público, enquanto entidade colectiva, não é tão acéfalo como por vezes se diz. A prova disso é que muitas vezes a qualidade acaba por ser premiada, como no caso do Telejornal. O noticiário da RTP é, neste momento, o melhor serviço informativo do primetime e, ao mesmo tempo, vence claramente a guerra de audiências. É tão nítida a superioridade que, em Novembro, foi o mais visto em 25 dos 30 dias.

Melhor porquê? Porque é sóbrio não sendo chato. Porque – ao ser mais curto – é mais selectivo na escolha dos temas e mais criterioso na forma de tratamento. Porque – quem o afirma é a ERC – tem sido isento. E porque os pivôs – José Rodrigues dos Santos, José Alberto Carvalho e Judite de Sousa – têm carisma e são acarinhados pelos telespectadores. Em popularidade, nas privadas, apenas Rodrigo Guedes de Carvalho é capaz de competir com estes três rostos da RTP.

Se fosse uma mulher o Telejornal seria uma espécie de Ségolène Royal: telegénica e eficaz, embora pouco exuberante.

 

PS – Não fosse ele um fedorento humorista e tivesse algum traquejo jornalístico, Ricardo Araújo Pereira poderia dar um bom pivô. Tem capacidade de comunicação, voz colocada, timbre grave e boa aparência. Os momentos em que imita um apresentador de informação provam isto mesmo. Talvez também desse para treinador do Sporting. Já para Floribella nem tanto. Precisava de ser mais irritante.

José Fialho Gouveia in Sol e Pimenta

Mai nada!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s