Mês: Julho 2007

Quer ajudar o planeta? Tire a gravata!

Quer ajudar a combater o aquecimento global? Tire a sua gravata, afirmou o Ministério da Saúde da Itália.

O apelo é para que os patrões deixem os seus funcionários se vestirem casualmente no trabalho durante o verão para que os aparelhos de ar condicionado possam ser desligados.

"Tirar a sua gravata imediatamente diminui a temperatura do corpo em cerca de 2 a 3 graus Celsius", afirmou o ministério em comunicado. "Permitindo um uso mais sensato do ar condicionado que resulte numa economia de electricidade e proteja o meio ambiente".

O ministério fez um pedido para que todos os escritórios públicos e privados permitam aos seus empregados não usar gravata durante as ondas de calor como a que elevou as temperaturas para níveis parecidos com os registrados na África em muitas partes da Itália nesta semana.

O pedido ecoa uma iniciativa similar vinda do maior grupo de petróleo da Itália, ENI, que disse aos seus funcionários, no começo deste mês, que eles não precisam usar gravata no trabalho.

Os fabricantes de gravata, entretanto, perderam a calma. "A Itália confirma que é um país estranho", disse Flávio Cima numa carta ao jornal económico Il Sole 24 Ore, sob a manchete: "Eu, fabricante de gravatas, sou responsável pelo aquecimento global".

"Nós agora podemos continuar felizes com o nosso estilo de vida, usando carros, consumindo combustível, aquecendo e esfriando nossas casas durante o lazer. Sob um condição: nós não devemos usar gravata enquanto fazemos isso", escreveu ele.

"Eu deveria escutar os meus amigos e virar um explorador de petróleo".

A Itália é um dos países da União Europeia que mais polui e está entre os países da UE que devem exceder suas metas de emissão de gases causadores do efeito estufa.

in Reuters Brasil

nude-man-with-tie-on-postersnude-man-with-tie-on-postersnude-man-with-tie-on-postersnude-man-with-tie-on-posters

Quando o que está em jogo é o futuro do planeta, qualquer medida me parece bem-vinda… 8-)

Technorati : , , , ,
Del.icio.us : , , , ,
Ice Rocket : , , , ,

Portugalidades 2

Ao transcrever o texto do Eduardo Prado Coelho para o blog, e não concordando com ele, esperava uma reacção a quem visitasse o X&X. E como o texto terminava com a pergunta "E você, o que pensa?", deixei ao critério de cada um pensar (e escrever) o que quisesse…

O Fly e o Mário Silva, "responderam" da melhor forma, escrevendo o que eu esperava e o que também penso, na generalidade. Por isso decidi colocar os comentários dos dois na página principal deste blog.

Obrigado aos dois!

"Agora o povo é que tem culpa da merda de leis que o governo faz para favorecer meia dúzia de eleitos, o povo é que tem culpa da forma como os sucessivos governos têm tratado da educação de forma a tornar o povo cada vez mais ignorante e estúpido e sem vontade de participar na sociedade em que vive.

O povo é que tem culpa da forma como os sucessivos governos têm destruído o Serviço Nacional de Saúde de modo a descredibilizá-lo para que os privados ponham e disponham como bem entenderem.

O povo é que tem culpa da programação das TV’s que só serve para os tornar mais estúpidos e mais sem interesse nos problemas que os aflige e sem vontade de participar na sociedade de maneira a torna-la melhor e sem grandes diferenças entre classes.

O povo é que tem culpa da forma como os governantes se deixam corromper pelos grandes interesses económicos e pelas seitas como sejam os Iluminti e/ou a Maçonaria.

O povo tem culpa de muita coisa mas se não houver vontade politica para mudar a maneira de pensar, de ensinar e de viver, o povo não tem grandes alternativas por muito que esteja consciente do cerne do problema e da forma como acabar com ele. Acho que este artigo do EPC é mais uma forma de desculpar a merda que os governantes têm feito e culpabilizar o povo e cada um de nós por não conseguirmos viver de outra forma que não seja na intrujice. É mais uma forma de propaganda vindo quiçá de alguém que está comprado pela canalha que nos desgoverna."

Fly

"Até se poderá concordar com EPC mas…

Há muitos anos ensinaram-me que os exemplos vêm de cima e, francamente, nem os governantes nem o EPC e demais cronistas servem de exemplo para nada nem ninguém, pelo que parece excluída a solução de começar de cima para baixo ou pelos lados.
Fica a solução de começar de baixo para cima. Como é que EPC não diz pelo que a sua intelectual prosa fica, mais erudita, ao nível dos profetas de café: têm opinião sobre tudo e não têm solução para nada.

Ora, de baixo para cima só existe uma forma legal de intervenção: votar (ou "botar") de 4 em 4 anos e aguentar outros 4 anos.

A alternativa de aplicar um par de bofetadas a cada ministro que diz ou faz uma asneira (ou umas bengaladas e puxões de orelha como escrevia Eça), sendo o único correctivo adequado para muitos casos, não é exequível. Primeiro porque quem o conseguisse iria preso e, segundo, porque os autores habituais de asneiras possuem segurança pessoal paga do bolso dos contribuintes para os proteger das eventuais reacções às asneiras que fazem.

Ou alguém pensa que, se não fizessem tanta asneira, precisavam de protecção? Por causa do Bin Laden não?"

Mário Silva

Nem mais! ;)

Technorati : , , ,
Del.icio.us : , , ,
Ice Rocket : , , ,

Portugalidades

A crença geral anterior era de que Santana Lopes não servia, bem como Cavaco, Durão e Guterres. Agora dizemos que Sócrates não serve. E o que vier depois de Sócrates também não servirá para nada.

Por isso começo a suspeitar que o problema não está no trapalhão que foi Santana Lopes ou na farsa que é o Sócrates. O problema está em nós. Nós como povo.

Nós como matéria-prima de um país. Porque pertenço a um país onde a ESPERTEZA é a moeda sempre valorizada, tanto ou mais o que o euro.

Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família baseada em valores e respeito aos demais.

Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nos passeios onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO-SE OS DEMAIS ONDE ESTÃO.

Pertenço ao país onde as EMPRESAS PRIVADAS são fornecedoras particulares dos seus empregados pouco honestos, que levam para casa, como se fosse correcto, folhas de papel, lápis, canetas, clips e tudo o que possa ser útil para os trabalhos de escola dos filhos… e para eles mesmos.

Pertenço a um país onde as pessoas se sentem espertas porque conseguiram comprar um descodificador falso da TV Cabo, onde se frauda a declaração de IRS para não pagar ou pagar menos impostos.

Pertenço a um país onde a falta de pontualidade é um hábito. Onde os directores das empresas não valorizam o capital humano. Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e depois reclamam do governo por não limpar os esgotos.

Onde pessoas se queixam que a luz e a água são serviços caros. Onde não existe a cultura pela leitura (onde os nossos jovens dizem que é “muito chato ter que ler”) e não há consciência nem memória política, histórica nem económica. Onde os nossos políticos trabalham dois dias por semana para aprovar projectos e leis que só servem para caçar os pobres, arreliar a classe média e beneficiar a alguns.

Pertenço a um país onde as cartas de condução e as declarações médicas podem ser “compradas”, sem se fazer qualquer exame. Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no autocarro, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não lhe dar o lugar. Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o peão. Um país onde fazemos muitas coisas erradas, mas estamos sempre a criticar os nossos governantes. Quanto mais analiso os defeitos de Santana Lopes e de Sócrates, melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem corrompi um guarda de trânsito para não ser multado.

Quanto mais digo o quanto o Cavaco é culpado, melhor sou eu como português, apesar de que ainda hoje pela manhã explorei um cliente que confiava em mim, o que me ajudou a pagar algumas dívidas. Não. Não. Não. Já basta.

Como “matéria-prima” de um país, temos muitas coisas boas, mas falta muito para sermos os homens e as mulheres que nosso país precisa.

Esses defeitos, essa “CHICO-ESPERTERTICE PORTUGUESA” congénita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até converter-se em casos escandalosos na política, essa falta de qualidade humana, mais do que Santana, Guterres, Cavaco ou Sócrates, é que é real e honestamente ruim, porque todos eles são portugueses como nós, ELEITOS POR NÓS. Nascidos aqui, não em outra parte…

Fico triste. Porque, ainda que Sócrates fosse embora hoje mesmo, o próximo que o suceder terá que continuar trabalhando com a mesma matéria-prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos. E não poderá fazer nada… Não tenho nenhuma garantia de que alguém possa fazer melhor, mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá. Nem serviu Santana, nem serviu Guterres, não serviu Cavaco, e nem serve Sócrates, nem servirá o que vier. Qual é a alternativa?

Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror? Aqui faz falta outra coisa.

E enquanto essa “outra coisa” não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados….igualmente abusados!

É muito bom ser português. Mas quando essa Portugalidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, então tudo muda.

Não esperemos acender uma vela a todos os santos, a ver se nos mandam um Messias.

Nós temos que mudar. Um novo governante com os mesmos portugueses nada poderá fazer. Está muito claro… Somos nós que temos que mudar.

Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda a nos acontecer: Desculpamos a mediocridade de programas de televisão nefastos e francamente tolerantes com o fracasso. É a indústria da desculpa e da estupidez. Agora, depois desta mensagem, francamente decidi procurar o responsável, não para castigá-lo, senão para exigir-lhe (sim, exigir-lhe) que melhore seu comportamento e que não se faça de mouco, de desentendido. Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO QUE O ENCONTRAREI QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO.

AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO EM OUTRO LADO.

E você, o que pensa?…. MEDITE!

Eduardo Prado Coelho in Público


Technorati : , ,
Del.icio.us : , ,
Ice Rocket : , ,

Semáforos, repuxos e WC também pagam!

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) alertou ontem para as "situações irrazoáveis" geradas pelo alargamento do pagamento da contribuição para o audiovisual a todos os consumidores de energia eléctrica. É o caso das casas de banho públicas, semáforos e repuxos que vão passar a pagar a taxa de serviço público de rádio e televisão.

O conselho directivo da ANMP já solicitou a isenção do pagamento daquela taxa para os consumos de energia que se referem aos serviços prestados pelas câmaras, mas segundo adiantaram os autarcas, o Governo recusou.

Assim, "os municípios vão continuar a pagar [serviço público de rádio e televisão] pelas instalações de iluminação, pelas instalações semafóricas, pelos furos de captação de água, pelos painéis de informação, pelas casas de banho públicas e fontes luminosas", acusou o conselho directivo da associação.

Inconformada com a situação, a ANMP voltou a insistir na alteração da lei numa missiva enviada ao ministro dos Assuntos Parlamentares, Augusto Santos Silva. "O legislador, quando autorizou o alargamento da contribuição para o audiovisual a todos os consumidores, domésticos e não domésticos, não quis abranger os consumidores institucionais, antes os comerciais e os industriais", argumentam os autarcas em comunicado enviado ao CM.

E, de forma irónica, remataram: "A não ser que se tenha por correcto que também os consumos energéticos dos semáforos ou dos repuxos dos nossos jardins contribuam para o financiamento do serviço público de rádio e televisão".

in Correio da Manhã

semaforotvsemaforo1

Cada dia que passa, mais evidente fica a politica puramente economicista deste governo. Tudo serve para ir buscar dinheiro.

E ainda não se lembraram de cobrar por cada uma daquelas luzitas azuladas que colocam antes das passadeiras… ???:

Technorati : , , , ,
Del.icio.us : , , , ,
Ice Rocket : , , , ,

No país dos “figurantes”

O primeiro-ministro, José Sócrates, e a ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, foram ontem surpreendidos pelos «alunos» da escola do futuro. Durante a apresentação pública do Plano Tecnológico da Educação, um investimento do executivo PS no valor de 400 milhões de euros, as cerca de dez crianças presentes no evento descaíram-se e confessaram «ter sido contratadas».

A confissão foi feita para as câmaras de televisão da SIC e RTP. José Sócrates e Maria de Lurdes não sabiam e foram apanhados de surpresa pelos jornalistas. Vários menores disseram ter recebido «um telefonema para estarem presentes» no CCB para uma cerimónia e que «iam receber 30 euros» cada.

[ Há um funcionário do Ministério da Educação que interpreta o papel de professor e aos miúdos cabe representar os alunos interessados que sabem usar as novas tecnologias. “A Ana foi à pastelaria e comprou 12 bolos. Em casa, a família comeu metade. Quantos comeram?” Seis, claro. Foi, diz Ana Rita, de sete anos, um dos papéis mais fáceis da sua curta carreira: “Já entrei na Ilha dos Amores. E gosto muito de computadores.” ] excerto do DN Online

Segundo avança o jornal diário 24 Horas, esta terça-feira, o ministério da Educação contratou uma empresa, a «Action4 Ativism», para organizar a cerimónia. Esta, por sua vez, terá contactado a NBP para contratar crianças para a sala de aulas «encenada» e composta por computadores de última geração.

A «Action4 Ativism» não quis responder directamente às perguntas colocadas pelo 24 Horas, mas fê-lo por e-mail. «A “action4 ativism” foi contratada pelo ministério da Educação para a organização de uma sessão pública de apresentação do Plano Tecnológico da Educação. No âmbito dos serviços prestados, designadamente a logística e a produção de material de suporte, incluiu-se a demonstração de equipamentos interactivos em ambiente de aula, para o que se recorreu à contratação de uma empresa de casting», explica a empresa na sua resposta.

Acrescentando ainda: «Mais se informa que esta empresa contratada», a NBP, «responde a todos os requisitos e obrigações legais relativas a contratação de crianças».

Também a NBP escusou comentar o caso ao 24 Horas mas, fonte não oficial da empresa considerou ao jornal ser «normal» a contratação dos menores «porque as escolas estão fechadas e eles tinham de arranjar crianças».

in Portugal Diário

De que tem medo o governo?

No outro dia, foram os idosos do Minho na festa da vitória PS para a câmara de Lisboa. Agora nem alguns alunos se arranjam, para apresentar uns computadores, recorrendo-se a figurantes pagos e ensaiados?!

Isto só demonstra uma coisa: que este país tem demasiados “figurantes”…

(Nota:E precisa contratar empresas, que contratam outras empresas, para organizar uma apresentação como aquela. Não há ninguém no governo com capacidade para isso?! É, parece que não… (pergunta estúpida!))


Technorati : , , , , ,
Del.icio.us : , , , , ,
Ice Rocket : , , , , ,

O X&X recebeu mais um prémio!

O X&X foi nomeado como um “Blog Activista” pelo Teixeira (o da Tasca).

activista-nomeacao.thumbnailactivista-nomeacao.thumbnailactivista-nomeacao.thumbnail

Para ser merecedor do selo “Blog Activista”, o autor deverá promover e defender:

A paz
A liberdade
O meio ambiente
A Igualdade de género
Os direitos humanos
Os movimentos sociais

Cada nomeado deverá nomear os blogs que tenham essas características, via e-mail ou nos comentários, não sendo necessário postar as nomeações. Cada blog nomeado deverá citar abaixo do banner, o nome do blog que o nomeou.

activista-nomeacaoactivista-nomeacaoactivista-nomeacao

Por isso o X&X tem o prazer de nomear:

Resistir.info

O Marafado

Raim’s Blog

the Watchdog

Arrochadas (2.0)

Mais informação sobre este selo em Bodega Cultural.