Portugal e o Euro 2008: Foi bom.

Não podia ter sido pior. Parecia um pesadelo; um pesadelo recorrente: um a zero, dois a zero. Depois, um golo português e um por marcar. Mas, em vez do segundo golo português, outro alemão. E, mais uma vez, um golo português. E outro por marcar. E o tempo a acabar. Até esse golo ficar mesmo por marcar. Eternamente por marcar. E Portugal sempre a perder. Até perder mesmo. Eternamente perdido.

Não podia ter sido pior. Mais cruel. Mais injusto. Mais pesadelo. Na primeira parte, a Alemanha a jogar como naquela noite em 2006, em Estugarda, em que vimos Portugal perder por 3-1. Mas nem sequer gozámos a familiaridade do pesadelo repetido. Não. Tínhamos de sofrer mais. Tinham de nos envenenar com esperanças. Ficou 3-2. Havia tempo. Havia vontade. Havia antecedentes. Mas o tempo acabou. A vontade continuou, mas já sem poder jogar.

Deveria ter ficado 2-2. Esse seria o resultado justo, mesmo contando com as sortes do jogo. A Alemanha, em dois tempos, marcava dois, e Portugal passava o resto do jogo a recuperar para repor o 0 a 0 inicial. Esse seria o justo castigo de Portugal e o justo prémio da Alemanha.

Depois viria o prolongamento. E esse prolongamento, que nos ficou atravessado e que continuará eternamente a ser jogado nas nossas cabeças, seria o verdadeiro jogo; o verdadeiro quarto-de-final. Onde está ele? É por isso que se ficou com a sensação de que este jogo ainda não acabou.

Não podia ter sido pior. A melhor coisa que ficou foi a Selecção. As fraquezas que se descobriram são rapidamente corrigíveis. Não dependem de jogadores que não temos. Não têm de esperar por uma nova geração. Já os temos. Grande parte do trabalho que Scolari deixou feito continuará a funcionar sem ele.

Em alturas como esta, temos de reconhecer que já não foi mau. Que estivemos bem. Que foi um orgulho a luta que demos e o medo que metemos.

É fácil armarmo-nos em bons e dizer que tudo que não seja ganhar o Euro é uma desilusão. Não é verdade.

Afinal podia ter sido pior. Não foi o melhor. Podia ter sido melhor ainda. Mas mau não foi. Nem medíocre. Nem mediano. Foi bom.

Foi bom.

Miguel Esteves Cardoso in O Jogo


Technorati : , , ,
Del.icio.us : , , ,
Flickr : , , ,
Buzznet : , , ,
Riya : , , ,

Adicionar artigo ao blinklist Adicionar aos Favoritos BlogBlogs Adicionar artigo ao Del.icio.us Adicionar artigo ao Digg! Adicionar artigo ao DiHitt Adicionar artigo ao Eu Curti Adicionar artigo ao Furl Adicionar esta noticia no Linkk Adicionar artigo ao Rec6 Adicionar artigo ao reddit Adicionar artigo ao Slashdot Adicionar site ao Stumble Adicionar aos Favoritos Technorati Sabedorize esta not�cia no WebSapiens

Anúncios

2 comments

  1. Bem, eu cá não sei como é no futebol, mas no meu caso se não cumpro os objectivos ou me despedem ou sou muito penalizada.

    Portanto o que posso dizer é, não não se portaram bem e não não devem ser desculpados ou seja lá o que for.

    Se não são vencedores e não sabem jogar estão na equipa errada !

  2. Anda tudo mal em Portugal, e o futubol não fica atraz.
    O futebol era a unica coisa que nos poderia levantar a moral, mas nem isso.
    O que é engraçado é que já estamos abituados, o que quer dizer que esta tudo normal.
    Está sempre tudo mal.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s