Cientista inventou álcool que não dá ressaca, nem faz mal ao fígado

1 10 2016

‘A nova substância, baptizada de “alcosynth”, resulta do trabalho do químico David Nutt, do Imperial College de Londres, e, ironicamente, ex-consultor do governo britânico para assuntos ligados a drogas.

Segundo Nutt, o alcosynth simula os efeitos positivos do álcool, mas não causa dor de cabeça ou náuseas, nem agride o fígado.’ (..)

A solução para os vossos problemas! 😀

a630a9004a322315771b11685a6aabfc-783x450

via Cientista inventou álcool que não dá ressaca, nem faz mal ao fígado – ZAP





Nova fábrica chinesa tem tecnologia para clonar seres humanos

4 12 2015

‘A controversa ideia da clonagem de seres humanos parece saída de um livro de ficção científica, mas na realidade uma empresa de engenharia genética chinesa assegura que já tem a tecnologia necessária para o fazer. E está a montar uma fábrica para iniciar a produção.’

a89ae966b011bac0c1e01b404b7bd772-783x450

Os chineses já são tantos e ainda montam fábricas para criar mais?! 😮 Perigoso…

via Nova fábrica chinesa tem tecnologia para clonar seres humanos – ZAP.





Máquina transforma plástico em gasolina!

23 03 2012

“We are all well aware of plastic’s “rap-sheet.” It has been found guilty on many counts, including the way its production and disposal raises resource issues and lets loose extremely negative environmental impacts.

Typically made from petroleum, it is estimated that 7% of the world’s annual oil production is used to produce and manufacture plastic. That is more than the oil consumed by the entire African continent.

Plastic’s carbon footprint includes landfilling and incineration, since sadly, its recycle rate is dismally low around the globe.

Plastic trash is also polluting our oceans and washing up on beaches around the world. Tons of plastic from the US and Japan are floating in the Pacific Ocean, killing mammals and birds. Perhaps this tragedy is best captured in the TED presentation by Capt. Charles Moore of the Algalita Marine Research Foundation.”

Ver aqui como:  Máquina transforma plástico em gasolina!





Criado na Suíça o partido Anti-PowerPoint

6 07 2011

O objectivo é evitar que as 250 milhões de pessoas que usam este programa mensalmente tornem as suas apresentações chatas.

Um grupo de cidadãos suíços criou o partido Anti-PowerPoint, o popular programa de apresentações visuais que é propriedade da Microsoft.

O objectivo deste movimento não é proibir completamente o uso desta ferramenta de trabalho, mas sim a utilização obrigatória que se faz do PowerPoint em empresas e universidades.

“Queremos que o número de apresentações com PowerPoint diminua em todo o planeta para tornar as apresentações mais atractivas. A escolha da Suíça deve-se ao facto de neste país qualquer cidadão poder inscrever-se num partido”, dizem os autores do movimento.

Este movimento, contudo, quer ter uma projecção mundial. “Não temos finalidades políticas”, asseguram os promotores, que têm como maior objectivo acabar com o número impressionante de pessoas que recorrem ao PowerPoint em apresentações – estima-se que são 250 milhões por mês em todo o mundo.

Este debate não é novo. O ano passado, o jornalista francês Franck Frommer publicou um livro onde questionava o abuso do PowerPoint nas apresentações.

in DN

Este pessoal não tem mais nada com que ‘lutar’?!

Parece-me que existem problemas bem mais graves do que este que justificaria um partido, movimento, associação, etc. 🙂





Mundial do Qatar vai ter nuvem-robot para fazer sombra nos estádios

1 04 2011

Com temperaturas que podem chegar aos 50º, a realização do Mundial de Futebol de 2022 no Qatar, no Verão, tem levantado algumas dúvidas. Mas o país encontrou uma solução engenhosa: uma nuvem artificial, comandada à distância.

A segurança de jogadores e espetadores do Mundial de Futebol de 2022, no Qatar, chegou mesmo a levar a Fifa a considerar a hipótese de transferir o campeonato para o Inverno. Mas, agora, cienstistas da Universidade do Qatar dizem ter criado nuvens artificiais capazers de providenciar sombra para os estádios.

Cerca de 500 mil dólares é quanto custará cada uma destas nuvens-robot, comandadas à distância e movidas a energia solar.

in Visão

Isto sim, é tecnologia!! O dinheiro do petróleo ajuda um bocadinho… 🙂





Cábulas tecnológicas acabam em prisão

7 04 2009

Pelo menos oito chineses foram presos recentemente por terem ajudado os seus filhos a cabular nos exames de acesso à universidade, com recurso a dispositivos electrónicos.

A informação é avançada pela agência Reuters, que citando a imprensa local refere que estes oito condenados foram acusados de ajudar os seus filhos a cabular, utilizando sistemas de comunicações sem fios.

O caso deste grupo de oito pais remonta a 2007, quando tiveram a ideia de ajudar os seus filhos através de métodos electrónicos.

Além do recurso a telemóveis e a auscultadores sem fios, estes pais contrataram estudantes universitários, que foram pagos para responder às questões dos exames de acesso ao ensino superior, que deviam ser respondidas pelos seus filhos.

A táctica foi descoberta quando as autoridades identificaram aquilo que denominam como «sinais de rádio anormais» junto da escola onde tudo correu.

Como resultado os pais foram condenados a penas de prisão entre os seis meses e três anos de prisão por acesso ilegal a segredos de Estado.

in SOL

(…) “acesso ilegal a segredos de Estado” ?? 😯

A tecnologia ao serviço do ensino… :mrgreen:


Technorati : , , , ,
Del.icio.us : , , , ,
Flickr : , , , ,
Buzznet : , , , ,
43 Things : , , , ,

Adicionar artigo ao blinklist Adicionar ao Ueba Adicionar aos Favoritos BlogBlogs Adicionar artigo ao Del.icio.us Adicionar artigo ao Digg! Adicionar artigo ao DiHitt Adicionar artigo ao Eu Curti Adicionar artigo ao Furl Adicionar esta noticia no Linkk Envie este link para linkTo! Adicionar artigo ao Rec6 Adicionar artigo ao reddit Adicionar artigo ao Slashdot Adicionar site ao Stumble Adicionar aos Favoritos Technorati Adicionar ao Ueba Sabedorize esta notícia no WebSapiens Adicionar artigo ao Windows Live Adicionar ao Yahoo!

Quer ter estes botões no seu site? Acesse





‘Sexting’: nudez e telemóveis

25 03 2009

Hormonas adolescentes e novas tecnologias. Estão reunidos os ingredientes básicos para uma receita de problemas. O sexting é a palavra inglesa que junta sex com texting e que, em termos gerais, quer dizer que os jovens do século XXI andam por aí a escrever mensagens picantes e a tirar fotografias a eles próprios, nus ou seminus, enviando-as de seguida para os telemóveis de namorados e amigos. Brincadeiras inocentes e sexy, dizem eles. Dissolução moral, dizem os educadores. Brincadeiras perigosas, dizem os pais. Pornografia infantil, clama a Justiça.

Apesar de as imagens em trajes íntimos (ou sem eles) serem normalmente destinadas aos namorados e namoradas, elas acabam muitas vezes em telemóveis alheios, graças à facilidade de partilha destes ficheiros. Daí até à Internet, onde as fotografias se espalham como fogo em capim seco pelas redes sociais, é um pequeno passo. A humilhação pública das vítimas já causou pelo menos um suicídio nos Estados Unidos, em 2008, e mais do que uma condenação por difusão de pornografia infantil.

Jessica (Jessie) Logan tinha 18 anos quando pegou numa corda e se enforcou, no seu próprio quarto. Várias semanas antes tinha enviado fotos suas, nua, ao rapaz com quem saía há cerca de dois meses. Esse mesmo rapaz reencaminhou as imagens para quatro amigas, e quando Jessie deu por ela o liceu andava a chamar-lhe nomes pelas costas. “Galdéria” era um deles. O mais eufemístico. De simpática e extrovertida cheerleader, a jovem transformou-se numa finalista deprimida e fugidia, que muitas vezes preferia ficar dentro do carro, no parque de estacionamento, porque não tinha coragem de entrar no edifício da escola e enfrentar os colegas.

A 3 de Julho do ano passado, a pressão atingiu o seu auge e Jessie cedeu. Pendurou-se numa corda e preferiu morrer. O caso chocou Cincinnati (Ohio) e a nação. Afinal que tipo de brincadeiras perigosas são estas em que os filhos da América andam metidos?

Um em cada cinco adolescentes admite sexting

Os pais de Jessie, Albert e Cynthia Logan – que consideram que as autoridades liceais não fizeram o suficiente para proteger a sua filha – tornaram a história pública e esperam agora que os EUA adoptem novas leis para combater este fenómeno que está a fazer vítimas mas que não apresenta nenhum culpado. “Queremos que seja aprovada uma lei”, indicou a mãe, Cynthia, ao Cincinnati.com. “É uma epidemia nacional. Ninguém está a fazer nada – nem as escolas, nem a polícia, nem os adultos, nem os advogados, ninguém”.

O caso de Jessie, até agora o único conhecido com este desenlace dramático, não é um caso isolado numa nação em que os adolescentes sentem cada vez mais pressão para embarcarem no fenómeno do sexting.

Em Outubro do ano passado, uma aluna do 8.º ano passou a noite num centro de detenção juvenil depois de uma fotografia sua, toda nua, ter acabado no ecrã do telemóvel do seu treinador, depois de o destinatário original da fotografia a ter reencaminhado para o professor. Em Janeiro último, três adolescentes (com idades entre os 14 e os 15 anos) que, alegadamente, enviaram fotografias delas próprias, nuas ou seminuas, através do telemóvel, e três colegas seus (entre os 16 e os 17 anos) de um liceu da Pensilvânia foram acusados de pornografia infantil, relata a CBS.

Igualmente este ano, no Wisconsin, um rapaz de 17 anos foi acusado de ter em sua posse pornografia infantil, depois de ter colocado online fotografias da sua namorada de 16 anos tal como veio ao mundo, indica a ABC. No estado de Alabama, as autoridades também detiveram quatro adolescentes que tinham trocado entre si fotografias em que apareciam todos nus. Em Rochester, estado de Nova Iorque, um rapaz de 16 anos poderá vir a cumprir uma pena de sete anos de prisão por ter reenviado uma fotografia da sua namorada de 15 anos aos seus amigos.

Em resumo, adolescentes de pelo menos uma dúzia de estados norte-americanos foram acusados nos últimos meses por posse e disseminação de pornografia infantil. Caso sejam condenados, muitos destes adolescentes podem ficar com o cadastro manchado com a expressão que ninguém nos Estados Unidos quer ouvir: “sex offender”. Pior: este rótulo pode ficar colado aos jovens por muitos e maus anos. Nos EUA estas coisas são levadas muito a sério.

De acordo com um estudo recente levado a cabo pelo National Campaign to Support Teen and Unplanned Pregnancy (a comissão nacional de prevenção da gravidez indesejada entre as adolescentes), uma em cada cinco adolescentes admitiu já ter participado em práticas de “sexting”. E? “O que é que vamos fazer? Prender 20 por cento dos adolescentes americanos?”, pergunta Lisa Bloom, a consultora legal da CBS News.

Proteger os adolescentes de si próprios

Depois da trágica morte de Jessica Logan, a sua mãe começou a trabalhar em parceria com o advogado Parry Aftab, especialista em fenómenos de segurança online e cyberbullying e ambos planeiam ligar o nome de Jessie a uma campanha nacional para esclarecer os adolescentes sobre os perigos do sexting. Aftab, com escritório em Nova Iorque, tem sido até agora o catalisador de uma rede de voluntários que trabalha para pôr fim ao cyberbullying e que opera a partir de dois sites, avança o Cincinnati.com: o wiredsafety.org (a maior e mais antiga organização de ciber-segurança dos EUA) e o stopcyberbullying.org.

“As escolas precisam de entender que as nossas crianças estão a alvejar-se a elas próprias e que a tecnologia é a arma usada”, indicou Aftab, citado pelo Cincinnati.com. “Nenhuma escola sabe o que fazer. Muitas pensam que o problema não é delas. Querem fechar os olhos e pôr os dedos nos ouvidos, dizendo que isso é um problema a resolver em casa”.

O problema é que o truque do sexting é precisamente a sua dissimulação. Um jovem pode estar a jantar à mesa de família e a mandar mensagens eróticas e pornográficas a quem queira, sem que os pais sequer suspeitem que, entre uma garfada de batata e outra de arroz, os filhos estão a escrever mensagens libidinosas nas suas próprias barbas. E mesmo que apanhem os telemóveis e lhes leiam as mensagens, nem sempre é fácil decifrar acrónimos como “IMEZRU” (“I’m easy, are you?”/”Eu sou fácil, e tu?”)

Em todo este fenómeno, os pais têm um papel fundamental. Falar abertamente sobre o problema é meio caminho andando para a prevenção, deixando bem claro que a partir do momento em que o adolescente carrega em “enviar”, o mal fica feito, passando a estar à mercê daquilo que a outra pessoa pretende fazer com a sua mensagem.

“É muito importante que os pais se sentem e conversem com os seus adolescentes e os ajudem a desenvolver as suas aptidões emocionais e de intimidade”, indicou à CBS a terapeuta sexual Joyce Joseph.

in Público

“Hormonas adolescentes e novas tecnologias. Estão reunidos os ingredientes básicos para uma receita de problemas.”

Acho que está tudo dito! 😕

Ler também:


Technorati : , , , , ,
Del.icio.us : , , , , ,
Flickr : , , , , ,
Buzznet : , , , , ,
Riya : , , , , ,

Adicionar artigo ao blinklist Adicionar ao Ueba Adicionar aos Favoritos BlogBlogs Adicionar artigo ao Del.icio.us Adicionar artigo ao Digg! Adicionar artigo ao DiHitt Adicionar artigo ao Eu Curti Adicionar artigo ao Furl Adicionar esta noticia no Linkk Envie este link para linkTo! Adicionar artigo ao Rec6 Adicionar artigo ao reddit Adicionar artigo ao Slashdot Adicionar site ao Stumble Adicionar aos Favoritos Technorati Adicionar ao Ueba Sabedorize esta notícia no WebSapiens Adicionar artigo ao Windows Live Adicionar ao Yahoo!

Quer ter estes botões no seu site? Acesse








%d bloggers like this: